#61 - The Ninja Art!





No interior do castelo, Gary Oak, adentrava por uma estranha sala com paredes e o chão construídos em ripas de madeira.

— Bem vindo á minha humilde casa — disse uma voz que ecoava pela sala — estava esperando por si.

Esta voz pertencia a Koga que surgia no lado oposto da sala, encarando o seu oponente.

— Uma sala aberta? Julguei que como ninja, você usaria mil e um esconderijos — provocou Gary com um sorriso presunçoso no rosto.

— O melhor esconderijo é á vista de todos — comentou Koga com um ar calmo e sereno — mas não foi para falar disso que você veio até aqui presumo.

— Quer passar já á acção? Gosto disso.

Gary começa a concentrar sua energia, criando pressão na sala, Koga não se mostrava surpreendido e fechava os olhos, cruzando os braços. O neto de Oak se sentiu provocado e começa a correr na direção de Koga, no entanto, colide contra uma parede invisível que o atira para trás.

— Você é forte, mas inconsciente, atacou sem analisar o campo de batalha, o que mostra que você não está em um nível capaz de me batalhar.

— Que é isto? — Gary se levanta e lentamente começa a apalpar o ar, acabando por encontrar uma matéria sólida — parede invisível?

— Como eu disse, o melhor esconderijo é de facto aquele que todos vêem e ao mesmo tempo, ninguém repara.

— Tsk. Então só tenho de mandar todas as paredes abaixo... — Flamethrower! — Gary usa seu lança chamas contra a parede, mas esta nem se movia, as chamas acabam se extinguindo — what?

— Não adianta tentar destruir o indestrutível, essas paredes são feitas de um material á prova de magia. Sua estratégia não irá funcionar.

Koga se desmaterializa com um flash e surge por trás de Gary, o chutando na nuca e o atirando contra outra parede invisível, em seguida ele cospe uma Sludge Bomb, uma bomba lamacenta que explode no peito do garoto, o ferindo.
Gary cai no chão sobre os seus joelhos, sua camisa verde tinha um enorme buraco no meio do peito.

— Damn, ele é forte...

Entretanto, nas masmorras do castelo, Yellow despertava em uma cela, lentamente a garota se levanta e observa que não está sozinha, são vários os místicos presos, centenas até, em seguida tenta usar um raio eléctrico na porta de aço, mas sem efeito, o aço era á prova de magia, então ela decide placar a porta, mas é projetada para trás sem sequer fazer mossa. Uma garota de cabelos negros espreita pelo visor. Era Erika, outra das guerreiras da Sacred Arcanine.

— Não adianta se magoar desse jeito, esta porta é controlada pela magia de Madame Agatha — disse a jovem com uma voz doce e pura.

— Você é Erika, a mesma que atacou a pi em Celadon.

— Eu lembro de você, a menina corajosa que tentou defender o amigo.

— Por que você está fazendo isso com a pi e os outros?

— São as ordens e temos de as cumprir.

— Não é justo. A pi não fez nada errado.

— Siga-me — Erika abre a porta de aço, deixando a pequena sair — quero lhe mostrar algo.

A mística segue a guerreira, escadaria acima, até uma sala que mais parecia um lindo jardim florido, onde Oddish, Gloom, Bellsrpout, Tangela andavam livremente.

— Que lugar é este?

— Este é o meu santuário, eu recolho criaturas feridas nas florestas e as trago para aqui, para as recuperar, algumas gostam tanto que decidem ficar.

— A pi não percebe, por que trouxe a pi até aqui?

— Para você olhar estes pobres inocentes, se uma guerra ocorrer, eles serão os mais prejudicados, e eles são o que menos culpa têm.  Se os místicos se unirem com Yuuto, é natural que os guerreiros humanos se unam, os dois grupos lutariam até ao fim, não se importando com estas vidas — Erika se baixa para acarinhar um Oddish que corria para junto dela.

Os Bellsprout e a Tangela, dançam alegremente á volta de Yellow.

— O que eles têm?

— Eles confiam em si — disse Erika — eles sabem que você tem o coração puro, assim como eu sei que você não é do mal.

— Tem muitos mais como a pi lá em baixo presos.

— Como eu disse, são as ordens que temos, não precisamos concordar com elas, no entanto, neste caso, eu quero evitar um conflito maior, se tiver de manter alguns presos, assim será.

— Não é justo.

— Os seus amigos estão neste momento enfrentando os mais poderosos guerreiros, apenas para a resgatar, você deve se sentir especial.

— Na Squirtle Shell todos protegemos os nossos amigos.

— Então você seria capaz de me enfrentar para proteger os seus?

A pergunta de Erika deixou Yellow em uma encruzilhada, será que ela seria obrigada a lutar? A pequena mística não sabia que resposta dar, por um lado, ela queria sair daquele lugar e voltar para a sua guilda, mas por outro, ela conhecia o poder de Erika e sabia que não seria capaz de vencer.

Na entrada do castelo, Ash e Brock decidem tomar caminhos diferentes, mal sabiam eles que enfrentariam os mais poderosos oponentes até á data.

Katie também havia recuperado os sentidos e decide se juntar aos seus amigos.

Quanto a Gary, bem, esse enfrentava Koga e não sabia como fazer para o acertar.

— Sinto seu espírito querendo deixar entrar as trevas — comentou Koga se aproximando de Gary que lentamente se levantava.

— Pare de tentar me ler, não sou um livro e você não sabe nada sobre mim.

— Engana-se garoto, eu vejo em você algo que eu fui.

Koga começa a contar sua história, há treze anos, a guerra havia rebentado e todo o mundo tinha de combater, pela sua sobrevivência e a sobrevivência dos seus. Koga e sua esposa Haruka haviam tido uma filha á poucos dias, a quem deram o nome de Janine. Koga tentou escapar com as duas, se escondendo nas montanhas do norte, mas até lá a guerra chegou, o ninja teve de combater para proteger quem amava, ele teve ajuda de Hyoga, o seu irmão gémeo. Os dois treinavam artes ninja desde crianças, se tornando velozes e letais, eles combateram juntos contra as forças inimigas que avançavam cruelmente pelas florestas e cidades, arrasando tudo á sua passagem.

Os dois ninjas foram chamados para uma missão em uma aldeia que havia sido atacada e queimada, como os dois estavam próximos, foram para a aldeia para tentar salvar algum sobrevivente, caso houvesse, para não as deixar no esconderijo, Koga decidiu levar sua família consigo, a pequena Janine não se aperceberia da desolação daquela aldeia e Haruka podia os ajudar a resgatar as vitimas.

No entanto, o chamamento foi uma emboscada e Haruka é atingida por uma espada de um inimigo que se materializa a partir de uma poça lamacenta, a lâmina perfura o peito da esposa de Koga, fazendo ela largar a bebé, Hyoga salta em seu salvamento e agarra na criança, mas para Haruka já era tarde demais.

A raiva consumiu o espírito de Koga, ele avança contra o assassino e o decapita com a mesma espada com que sua mulher foi morta, ainda haviam mais inimigos na aldeia e o ninja eliminou eles todos, consumido pela escuridão, voltou-se até contra o irmão.

Hyoga o tentou chamar á razão, fazendo ele ver que ainda tinha uma filha e que ela precisava do pai, mas o ninja não conseguia pensar direito, sem perceber, um dos sobreviventes inimigos dispara um tiro de caçadora contra Koga. Agindo rapidamente, Hyoga entrega Janine ao irmão e se coloca na frente da bala, mas antes de cair, ele atira um shuriken que acerta em cheio na cabeça do inimigo, caindo em seguida no chão. E com um sorriso nos lábios proferiu suas últimas palavras.

"Essa criança é a luz que irá iluminar este dia escuro, lute por ela, faça com que ela nunca tenha que assistir a uma guerra."

Hyoga partiu sorrindo, ele não tinha filhos, se sacrificou para que seu irmão pudesse cuidar de Janine e lhe dar um futuro. Esta foi a história que Koga contou a Gary, a escuridão quase tomou conta dele, mas foi pensando na sua filha, única coisa que tinha e a mais importante de todas, que o fez voltar á luz e lutar contra as guerras, por essa razão ele quer que os místicos sejam capturados, para que uma nova guerra não seja iniciada, para que sua filha não tenha de presenciar o que ele foi obrigado a ver com seus olhos, imagens cruéis que nunca esquecerá.

— Prevenindo uma guerra com outra? — Gary não parecia muito interessado na história do ninja, fazendo perguntas de retórica.

— Esta guerra civil não está sendo nem metade daquilo que poderia ser uma guerra com os místicos de Yuuto, você é jovem e não percebe o que é a escuridão, pensa que por viver na sombra de seu avô e de seus companheiros que isso o faz mais fraco, quando na verdade você se torna fraco apenas se deixar a raiva consumir o seu espírito.

— Chega de conversa, eu irei derrotar você... Flamethrower!

— É inutil...

Koga produz uma barreira de energia que para o golpe de Gary, em seguida salta sobre ele e com sua mão direita, aplica Poison Jab no peito do guerreiro de Pallet, o deixando cair sobre o seu ombro, inconsciente.

— Já chega — uma voz ouve-se vinda da entrada da sala das paredes invisíveis, um homem se aproxima de Koga.

— Giovanni — constatou o ninja — que faz aqui?

— Eu vim assistir a este combate, mas pelo que me parece cheguei tarde — comentou o politico sorrindo — esse garoto é muito especial, penso que com o treino certo, ele poderá superar até os mais poderosos guerreiros.

— E é você que espera o treinar? Vai obrigá-lo a isso?

— Obrigar? Ora, quem julga que eu sou? Eu sou um homem justo, não obrigo ninguém a fazer o que não quer.

— Hm, apenas mostra os caminhos possíveis, não é? — Koga não mostrava muita empatia por Giovanni.

— Precisamente. Leve esse garoto para a enfermaria, ele vai precisar de cuidados.


Giovanni vira as costas e se afasta, deixando Gary inconsciente nos braços de Koga, a relação entre o politico e o ninja parece não ser das melhores, pois este último olha para Gary com algum receio, receio que se torne em alguém como Giovanni, o que quer isto dizer? Bem, isso são coisas para os próximos capítulos.

1 comments :

Write comments
Boo
AUTHOR
9 May 2015 at 04:41 delete

Adorei este capítulo, acho que ele foi muito bom por ter mostrado o outro lado da historia, ate certo ponto a Sacred Arcanine estava parecendo uma guilda cruel que atacava os místicos sem se importar se eles realmente eram culpados de algo ou não. Entretanto, ao ver as historias de Koga e Erika fica bem claro que eles não são exatamente vilões, podem estar fazendo algo errado, mas por acreditarem que é o menor de dois males, acho que isso deixa a trama bem mais complexa.
A parte de ação com Gary vs Koga foi muito boa também, tanto a luta como o final com Giovanni aparecendo para o resgatar, grande capítulo.

Reply
avatar