#44 - The Orange Crew!





No último capítulo, Ash e seus amigos partiram para o arquipélago laranja, acompanhados por Tracey, um rapaz com um poder muito peculiar, no entanto, a viagem não foi simples, pois os nossos heróis foram atacadas por um grupo de piratas, mas conseguiram a vitória e finalmente chegaram em Valencia Island.

O submarino pirata emergia no porto de Valencia Island, logo as autoridades chegaram para prender os piratas e agradeceram aos nossos heróis pelo seu trabalho, mas agora era altura de irem visitar a Butterfree Nest, a guilda de Tracey, esta ilha era como uma grande reserva natural, o chão era coberto da grama mais verde e as árvores cheias de vida, com suas folhas dançando com o vento, Yellow ficava espantada com a variedade de animais que percorriam aqueles campos verdejantes.

— Todos esses animais vivem aqui? — Perguntou a garotinha com seus olhos brilhando, vendo um bando de Butterfree voando sobre sua cabeça.

— Sabe, a professora Ivy adora animais, então sempre que vê algum ferido em suas viagens, trás para cá até que se sinta melhor, no entanto, eles gostam tanto daqui que vão ficando — explicou Tracey — ali na frente é a guilda, vamos.

O grupo chegou em uma casa de madeira, com as telhas em triangulo, vermelhas, Tracey abre a porta e logo são recebidos por três garotas semelhantes.



— Bem vindo Tracey — cumprimentaram as três em coro.

— Pessoal, quero vos apresentar a Charity, Hope e Faith, elas são as minhas companheiras de guilda — disse Tracey apontando para as tripletes — e estes são Ash, Yellow, Katie e Gary, vieram de Kanto e são da guilda Squirtle Shell liderada pelo professor Oak.

— Prazer em conhecer-vos — novamente em coro, as três fizeram uma vénia em sinal de respeito.

— Onde está a professora Ivy? — Perguntou Tracey.

— Você já regressou? — Mesmo antes de as tripletes responderem, uma voz feminina ouve-se aproximando-se do hall de entrada, descendo as escadas, surge uma mulher com pouco mais de 25 anos, com cabelos roxos e escadeados, trazia uma bata branca cobrindo o seu corpo — hmm? Vejo que trouxe companhia — ela falava com uma voz calma e doce, seu olhar parecia cansado.


Aquela era a professora Ivy, Tracey apresentou os visitantes e contou da missão deles para encontrar as lendárias aves miragem. Ivy convidou o grupo a se sentar nos sofás castanhos, onde lhes serviu um copo de refrigerante e algumas bolachas.

— Sei que vocês devem achar estranho a professora Ivy ser tão nova e ao mesmo tempo mestra da guilda, mas não se enganem ela é muito forte — comentou Tracey.

— Ora Tracey, os seus amigos não estão aqui para ouvirem falar de mim, eles querem saber das aves lendárias, infelizmente eu não sei muito sobre eles, ou onde os encontrar, mas existe uma lenda que eles nasceram aqui no arquipélago laranja, mas claro que podem não passar apenas de boatos, pois ninguém sabe a sua origem e quase ninguém nunca as viu.

— Nós viemos até ao arquipélago laranja na esperança de os encontrar, mas parece que não vai ser nada fácil — comentou Gary.

— Esperem, tenho algo que vos pode interessar — Ivy pede a uma das tripletes para pegar um livro da estante, esta retira um livro de capa dura castanha e o entrega a Gary — esse livro contem as minhas pesquisas sobre as aves lendárias, segundo a lenda, elas nasceram de três ovos mágicos, no mesmo dia, na mesma hora, esses ovos se tornaram em raras jóias cujas localizações são desconhecidas.

Os nossos heróis ficaram curiosos e atentamente ouviram as palavras de Ivy. Ela começou citando o livro, a lenda das aves miragem começara em uma região longínqua, os habitantes dessa região faziam oferendas a duas aves divinas para que elas os protegessem do mal, essas duas divindades simbolizavam a lua e o sol, viviam em harmonia através dos tempos, mas um dia, uma violenta batalha começou entre as duas aves divinas, o que a originou ainda não conhecemos, Ho-oh, o deus do sol atacou violentamente Lugia, a deusa da lua, obrigando-a a se refugiar neste mesmo arquipélago, as suas feridas eram profundas, então ela se escondeu no fundo do oceano para se recuperar, para sua proteção, ela pôs três ovos que deram origem ás aves miragem, eles se instalaram em três ilhas ao redor de onde Lugia estava, essas ilhas ficaram conhecidas como a ilha do fogo, ilha do relâmpago e ilha do gelo. Mas os seus poderes eram grandes demais e as pobres aves não os conseguiam controlar, pois Lugia teria depositado toda sua força neles, então para que eles sobrevivessem, metade dos seus poderes foram depositados nos seus ovos. Estes seus ovos ficaram escondidos durante sabe-se lá quanto tempo.

— Eu tenho uma dessas jóias comigo — confessou Katie interrompendo Ivy — a Ice Sphere, ela se juntou ao meu corpo há três anos atrás em Navel Island.

— Isso nos leva á segunda parte da lenda — continuou.

As lendárias aves cresceram nas suas respectivas ilhas, enquanto sua mãe recuperava suas forças, seus poderes foram aumentando e as jóias deixaram de lhes servir, então os três formaram um pacto com Lugia, que aquele poder ficaria adormecido até alguém em quem as aves pudessem confiar aparecesse, quando isso acontecer, as miragens irão presentear essa pessoa com os seus poderes adormecidos, para que elas protejam os seus pais e família, tal como eles protegeram Lugia.

— Se a Ice Sphere a escolheu é porque Articuno confia em você e sabe que você sempre protegerá os seus amigos.

— E eu trai essa confiança quando corri e o abandonei — Katie baixou a cabeça mostrando tristeza.

— No entanto, ele contínuo confiando em si até hoje, se ele parasse de o fazer, a jóia iria rejeitar o seu corpo e voltar ao seu esconderijo.

— Você acha? — Katie se sentia um pouco reconfortada com as palavras doces de Ivy.

— É claro, sei que é difícil para si entender, mas Articuno é uma ave milenar, certamente sabe reconhecer o valor das pessoas e ele passou a si o seu poder, mesmo depois de você ter ido embora.

De repente, as portas da guilda se abrem bruscamente com uma mulher, com pouco mais de 20 anos, com seus cabelos castanhos amarrados atrás, adentrando com um ar ameaçador.


— Que você está fazendo aqui Cissy? — Perguntou Tracey.

— Já passaram as duas semanas que vos tínhamos dado de prazo, viemos vos expulsar da ilha — disse a mulher com um tom autoritário.

— Quem é ela? — Perguntou Ash.

— É Cissy, pertence á guilda conhecida como Orange Crew — respondeu Ivy.

— Esses quatro são novos membros? Espero que não estejam pensando nos desafiar, pois já vos demos tempo demais para ter o que é nosso.

— O que é que ela está falando? — Perguntou Katie.

— A Orange Crew era a única guilda no arquipélago laranja, mas não aceitam todo o tipo de pessoa, apenas aqueles que eles acham dignos, eu criei a Butterfree Nest para poder receber qualquer pessoa que quisesse ajudar em uma guilda, mas eles não gostaram dessa ideia, então exigiram ao conselho de guildas que se realizasse uma competição, onde quem ganhasse ficaria como guilda única.

— E vocês perderam, a maioria dos vossos membros foi embora, está na hora de vocês fazerem o mesmo.

— Nós não iremos a lugar nenhum — impôs-se Tracey — o arquipélago é grande o suficiente para as duas guildas coexistirem, vocês apenas estão com medo de nós cobrarmos menos e as pessoas nos escolherem a nós.

— Desista garoto, vocês perderam o direito de ser uma guilda oficial, se vocês persistirem com esta bobagem, serão considerados guilda negra e serão presos e julgados.

— Nós não temos feito nenhum trabalho ultimamente, mas esta casa serve para o Tracey e as tripletes morarem, pois não têm mais lugar para onde ir, além de que os animais que vivem aqui, gostam de nós — explicou Ivy.

— Too bad, tínhamos um acordo, abandonem a ilha que ela agora é nossa.

— Isso não é justo, a professora Ivy revitalizou esta ilha para a transformar nesta reserva que recebe animais feridos — contestou Tracey.

— Você está me aborrecendo garoto, se vocês não saem, eu mesma os expulsarei.

— Tenha calma Cissy, penso que deveríamos tentar os chamar á razão — Um homem na casa dos 25 anos, surge ao lado daquela mulher.



— Danny, como se atreve a voltar aqui depois de nos ter traído? Seu vendido — Tracey se mostrava bem irritado com aquele homem.

— Eu não sou nenhum vendido, eu aproveitei uma oportunidade para ir para a melhor guilda, tenho pena que não compreenda logo isso Tracey.

— Vamos ter problemas? — Um rapaz com os cabelos castanhos tapando a testa surge em seguida, este era mais jovem, parecia ter dezassete ou dezoito anos. O seu nome é Rudy.


— Por favor, não me digam que temos de repetir tudo de novo — uma mulher com aparência perto dos trinta anos é a última a aparecer dentro da guilda, Luana é o seu nome.



Os quatro começam concentrando sua energia, fazendo a casa tremer, as tripletes se escondem atrás da professora Ivy, já Tracey os encara.

— Não vamos combater aqui, controlem-se — pediu Ivy com gentileza.

— Lamento professora, mas o tempo para controlar se esgotou, abandonem a guilda e a ilha, ou sejam pulverizados — ameaçou Rudy.

— Vocês acham que são donos disto? — Intercedeu Ash — não podem chegar aqui e exigir seja o que for, vocês ganharam, são a única guilda do arquipélago, agora deixem a professora Ivy continuar com seus trabalhos de pesquisa.

— E você quem é? — Perguntou o mais jovem membro da Orange Crew.

— O meu nome é Ash Ketchum, eu sou membro da Squirtle Shell em Pallet Town e posso dizer que não é assim que se opera uma guilda.

— Squirtle Shell hum? Então se você sabe como se opera uma guilda, por que não me demonstra?

— Será um prazer surrar essa cara — Ash começa a concentrar sua energia fitando Rudy.

— Tenha cuidado Ash, ele é muito poderoso — alertou Tracey.

— Sério? Pois eu também o sou.

— Por favor combatam lá fora, não me apetece ter de fazer obras nesta casa — comentou Luana com a voz deprimida.

Os dois seguiram o conselho e saíram para a rua, Ash e Rudy exercem pressão sobre o local e Ash não perde muito tempo em atacar.

— Thunderpunch! — Ash avança contra Rudy com seus punhos eléctrificados.

— Carta escolhida... — Rudy retira do bolso das calças um deck de cartas e lança uma ao ar — Sala de Espelhos! — Um brilho emana daquela carta e Ash se vê em um lugar cheio de espelhos, todos eles com o reflexo de Rudy, obrigando-o a parar o ataque.

— Mas que raio é isto?

— O que foi? Não consegue encontrar o verdadeiro? Não esperava isto de um aluno do brilhante professor Oak — Rudy retira outra carta — carta escolhida, Mil Flechas! — Os espelhos começam a brilhar e logo centenas de flechas saem disparadas contra Ash que se tenta desviar, acabando por ter de usar sua energia para provocar uma descarga eléctrica que destrói as flechas e todos os espelhos, no entanto, a custo de sua energia, pois ficou visivelmente enfraquecido.

— Droga... usei energia demais para me libertar daquilo — comenta Ash arfando.

— Parabéns, destruiu minha sala de espelhos, deve se sentir feliz, no entanto, minha próxima carta irá relevar o seu destino... Carta Escolhida! — Rudy lança ao ar uma carta com um dado — Par ou Impar! — Um dado gigante surge no campo de batalha, entre os dois — acredita na sorte? Então diga, par ou impar? Seu sucesso ou fracasso depende de sua resposta.

— Que raio de combate é este?

— Ora ora, essa não é a resposta que tem de dar, par ou impar, vamos Ash, não me deixe muito tempo á espera.

Ash estava sem saber o que fazer, sobre o olhar atento dos seus companheiros e restantes Orange Crew.

— Oh Ash... — Yellow estava preocupada com o que estava acontecendo — professora Ivy, a pi nunca tinha visto poderes assim, já os do Tracey eram bem diferentes do normal.

— Os poderes que vocês costumam ver no continente é o resultado de anos e anos de aperfeiçoamento dos humanos, as grandes guerras do passado fizeram com que humanos desenvolvessem essas habilidades, mas aqui no arquipélago laranja não é bem assim, nós nunca fomos afetados por nenhuma guerra, então a maioria não consegue usar os elementos, então os habitantes antigos procuraram alternativas, para que se um dia a guerra chegasse, nós não seriamos alvo fácil, então desenvolveram-se habilidades com objectos mágicos e pela reação do Ash, acho que vocês nunca viram algo assim — explicou a professora, com Gary, Yellow e Katie ouvindo com atenção, eles realmente não conheciam estes objectos mágicos, o que ditava uma grande desvantagem.

— Vocês do continente sempre se acharam superiores por poder dobrar elementos, mas aqui nas ilhas, vocês jogam com as nossas regras — disse Rudy confiante, encarando Ash — vamos, responda logo.

— Droga... tenho de responder... Impar — o dado começou a rodar rapidamente, resultando no numero quatro — oh crap — Rudy sorri e o dado explode para cima de Ash, empurrando o garoto contra a parede.

— Chegou o fim para você, Ash Ketchum... Car...

— Hold it! — Rudy é interrompido por uma voz masculina e grossa, um quinto rapaz, cheio de swag aparece sobrevoando o lugar com uma prancha de aço.



— Drake, o que você está aqui fazendo? — Perguntou Cissy.

— Vim ver como estavam correndo as coisas por aqui, vejo que você arrumou de novo confusão Rudy. O meu nome é Drake e eu sou o ílder da Orange Crew — a prancha prateada se transformou em um colar com uma cruz, que Drake pôs ao pescoço — professora Ivy, eu pensei bem e decidi dar uma nova chance a vocês, quero propôr uma pequena competição com esses guerreiros do continente, se eles vencerem com as nossas regras, vocês poderão ter a vossa guilda de volta, mas se perderem, vocês da Squirtle Shell têm de se juntar a nós.


A proposta de Drake deixou todos surpresos, qual será a resposta dos nossos heróis? Não percam o próximo capítulo.

1 comments :

Write comments
Boo
AUTHOR
3 March 2015 at 14:57 delete

Capítulo muito bom, adorei a parte da mitologia, a historia envolvendo Lugia e Ho-oh e como isso originou o nascimento das aves lendárias, adoro esta parte envolvendo lendas sobre origem das coisas. Além disso, explicou bem sobre a origem dos ovos e porque a team rocket os queria tanto.
A segunda parte da historia foi igualmente boa, com eles conhecendo outra guilda da região e já se metendo em problemas, isto das habilidades deles serem diferentes das usadas no continente foi um grande toque, traz uma diversidade de técnicas, o do Tracey e Rudy foram habilidades bem criativas.
Este novo arco tem sido muito bom, imagino uma grande luta contra a Orange Crew.

Reply
avatar