#42 - Frozen!




Bem vindos de volta amigos, no último capítulo eu comecei contando minha história não muito feliz, eu cresci em uma pequena aldeia de users de poderes psíquicos, no entanto eu nunca consegui os desenvolver, me tornando uma vergonha para minha família, após ser abandonada por estes para morrer em uma montanha gelada, conheci Articuno que me treinou e me tratou como sua filha, graças e ele aprendi todas as técnicas que hoje conheço.

Há três anos atrás, eu viajei para uma ilha apenas como visitante, mas presenciei algo terrível, um grupo de criminosos chamado Team Rocket invadiu o museu da ilha, tentando roubar uma jóia rara conhecida como Ice Sphere. Quando meus olhos se cruzaram com essa esfera, uma reação se desencadeou e uma mulher, aparentemente a líder daquele grupo reparou nisso e me chamou de chave para a ativar, eu ainda não percebia o que se passava, mas sentia que estava em perigo.

Aquela mulher me encarava com olhos maliciosos cor de cinza, ela tenta me agarrar, mas minha primeira reação é me desviar para a esquerda e me colocar em posição de combate.

— Oh my... que menina mais atrevida, você acha mesmo que pode combater a poderosa Team Rocket?

— Eu só sei que essa esfera está chamando por mim e eu não posso deixar que vocês a levem.

— Hmm tal como eu pensei, você tem uma ligação especial a Articuno.

— Articuno é meu pai e eu o vou defender se você lhe quiser mal.

— Seu pai? Como é que uma menina pode ser filha de uma ave miragem? Acredito mais que você seja o próprio Articuno disfarçado de menina, não estarei certa?

— Quê? — As palavras daquela mulher eram perturbadoras, como poderia eu ser aquela ave? Não fazia sentido na minha cabeça, assim como a frase, ave miragem, o que significava isso? — Eu não sou Articuno, eu sou sua filha.

— Você representa bem, devia ser atriz quando crescer, ou se preferir, torne-se em uma mulher mais velha.

— Eu já lhe disse que eu não sou Art... — Nem consegui terminar a frase, pois logo aquela mulher avançou sobre mim com suas garras felinas, eu só consegui me desviar para trás, mas ela insistia com a outra mão e eu novamente me cheguei atrás, uma luta era inevitável, então eu voltei a formar a minha pedra de gelo — Ice Shard! — A arremessei contra a Rocket, mas ela a quebra com suas garras com facilidade.

— Que golpe tão fraco vindo de uma menina tão forte, é apenas isso que seu pai lhe ensinou? — Aquela mulher sinistra zombava de mim, conseguia ver em seus lábios pintados de vermelho um sorriso sarcástico e confiante — Fury Swipes! — De novo com as garras, ela tenta me atacar, eu tento me desviar, mas ela é muito veloz desta vez e atinge meu braço, o arranhando e ferindo.

— Ice Floor! — Com meu outro braço, projeto minha mão contra o chão de azulejo amarelo e crio uma passadeira de gelo, na esperança de prender as pernas daquela mulher. Mas sem efeito, ela se coloca no chão de quatro e avança contra mim.

— Slash! — Sem sequer escorregar, ela me ataca velozmente, arranhando meu abdómen, rasgando essa parte de meu vestido brando e fazendo uma grande quantidade de sangue sair. Eu caio no chão com as dores provocadas pelo golpe — vamos se levante e me mostre o seu poder, Articuno.

— D-damn, ela é tão rápida... não sei o que fazer...

— Vamos terminar com essa atuação e me mostre aquilo que você é — a mulher passa com a língua pelos lábios, mostrando estar saboreando a iminente vitória. Ela caminha na minha direção com suas garras levantadas, se preparando para me atacar de novo, então eu resolvi jogar o seu jogo.

— Hahahaha — o meu riso histérico a confundiu a ela e a todos os Rockets, eu me levantei fingindo não estar sofrendo com as dores — sua humana idiota, acha mesmo que seus golpes podem atingir a lendária ave do gelo?

— Sabia que era você Articuno, não pense que vá escapar agora que sei o seu segredinho.

— Não irei a lugar nenhum sem o meu tesouro, devolva-me ou eu irei congelar você e seus comparsas no gelo eterno — tentei usar um tom convincente, com meus olhos encarando aquela mulher.

— Não creio que você consiga sair desta ilha, sua revelação foi gravada pelo meu auricular e neste momento, vários soldados da Team Rocket irão chegar a esta ilha com uma arma capaz de a prender, então me congele, eu não tenho problemas com isso, mas logo eu me libertarei e verei você sendo explorada no nosso laboratório — ela se mostrava satisfeita e confiante com a minha falsa revelação, mas o que ela dizia era verdade, dezenas de helicópteros da Team Rocket avançavam sobre Navel Island, causando o pânico nas pessoas que fugiam nos seus barcos.

Esta ilha comercial em poucos minutos estava cheia de soldados de vestes negras rindo dos civis que fugiam assustados.

— Dammit, estraguei tudo... — não conseguia mais disfarçar, meu corpo paralisava com o medo enquanto aqueles homens invadiam a ilha, mas foi ai que senti aquele vento fresco no ar.

A sombra de uma ave pairava sobre Navel Island, largando pequenos flocos gelados, os Rocket olhavam para cima e viam a criatura, Articuno, a lendária ave miragem.

— Então você não estava mentindo sobre não ser Articuno, é uma pena que o seu plano para nos assustar com a ideia de você o ser tenha corrido mal, agora ele será capturado, como se sente em ter entregue seu pai?

Corri para o exterior do museu e vi Articuno sendo atacado pelos Rockets, ele soltava seus raios de gelo tentando pará-los, mas não os queria ferir, foi aqui que aquela mulher sobe para um segway voador e ordena que usem a arma, nesse momento, um tanque de guerra surge de debaixo de água, passando por cima das barracas mercantis da ilha e com seu canhão, dispara um raio azul contra Articuno, a ave tenta se sair do ângulo de alcance do canhão, mas aquela mulher e os outros Rockets o atacavam, encurralando-o e assim ele é atingido pelo raio.

Querendo chorar, eu não estava aguentando ver meu pai, aquele que salvou minha vida sendo capturado, me culpei por o ter trazido para esta situação, a culpa era minha. Queria ajudar de alguma forma e percebi que o mesmo Rocket dentro do museu ainda tinha a esfera, eu poderia tirar-lha e dar a Articuno e assim o salvar.

— Ice Shard! — Ataquei o Rocket com a minha rocha gelada, logo os outros se lançaram contra mim, tal como esperado, mas eu congelei o chão, fazendo todos escorregar e cair, em seguida ataco de novo o Rocket e lhe roubo a esfera, outros membros da organização criminosa adentram o museu, tentando me atacar, mas foi ai que algo aconteceu.

A esfera ficou ativa, um brilho forte saiu dela e eu perdi o tacto nela, a esfera se fundira com meu corpo e eu sinto uma enorme energia vinda de mim, solto um grito e em um instante, toda aquela ilha é congelada, tornada em um Iceberg com centenas de Rockets dentro dela, presos no gelo eterno.

Articuno estava livre, ele voa até mim, mas eu não consigo esconder meu sentimento de culpa, embora aqueles homens e mulheres fossem criminosos, eu os havia condenado ao gelo eterno, então corri, escapei daquela ilha sem olhar para trás, sem voltar a ver os olhos meigos de Articuno, aquela ave que salvara minha vida no passado, ele estava fraco demais para me seguir e acabou por me deixar partir.

Meses passaram e meu corpo enfraquecia devido a não conseguir controlar aquela esfera que estava dentro de mim, então conheci um homem que me amparou em um dia que eu desmaiei de fraqueza. Era o professor Oak, eu lhe contei a minha história e ele se propôs em me ajudar, me levando para Pallet Town e para a sua guilda, foi o dia em que conheci Ash e Gary, os dois únicos membros que competiam para ver quem fazia os melhores trabalhos.

Eu voltei a sentir o mesmo sentimento do dia que conheci Articuno, um misto de felicidade e segurança, estava em casa. O professor Oak trabalhou comigo para me ajudar a controlar este poder e ao fim de umas semanas, eu estava pronta a fazer missões juntamente com Ash e Gary. Foi isto que aconteceu, nunca mais tive contacto com Articuno e ainda hoje me culpo pelo que aconteceu naquela ilha.

Katie contou sua história aos companheiros e Blaine que a ouviam atentamente.

— Eu imagino como deve ser difícil para si contar isto, relembrar seu passado — disse Blaine a confortando.

— Não tem problema, me senti estranhamente bem em partilhar este momento com os meus irmãos da Squirtle Shell — disse Katie esfregando os olhos para limpar as lágrimas.

— Você fez o que devia para proteger Articuno, não se culpe por o que aconteceu, a culpa é toda dessa Team Rocket — disse Ash.

— Não me vai ouvir dizer isto muitas vezes, mas o Ash tem razão — Gary estava de braços cruzados junto de Katie, A garota se emociona com o apoio demonstrado pelos dois e os abraça em forma de agradecimento.

— Team Rocket... esses são aqueles mauzinhos que a pi teve problemas na missão — relembrou-se Yellow, quando ela teve sua primeira missão, acordando um Snorlax, três membros desta organização a tentaram capturar, mas claro sem sucesso.

— A Team Rocket é uma organização criminosa que opera há já vários anos, me lembro dos seus primeiros crimes, infelizmente nunca ninguém descobriu o seu líder, apenas alguns membros foram capturados, mas nem eles próprios sabem para quem trabalham — comentou Blaine — mas bem, não foi para isto que vocês vieram aqui, a vossa missão é descobrir as aves lendárias e eu posso vos ajudar, vocês terão de viajar até ao Orange Archipelago e encontrar as ilhas do gelo, fogo e relâmpago, lá irão encontrar os templos dedicados ás aves miragem, com estes bilhetes, poderão viajar á vontade por estas ilhas, quem sabe vossos caminhos se cruzarão com estas lendárias criaturas. Esta noite descansem no hotel, amanhã será um longo e duro dia.

E assim os nossos heróis obedeceram, juntos foram para o hotel onde aproveitaram para comer e relaxar num belo banho termal, antes de irem dormir, amanhã iria começar uma grande viagem, rumo ás ilhas laranja, onde esperam conseguir informação sobre as lendárias aves e quem sabe encontrar as próprias, por isso não percam o próximo capítulo, mas antes...

A noite já ia longa em Cinnabar Island e o laboratório de Blaine via o último cientista saindo, deixando o chefe sozinho, assim que ele se senta na sua cadeira balouço, o telefone preso na parede toca, obrigando-o a levantar e atender, sua expressão fica apreensiva quando alguém lhe fala.

— Os garotos irão partir amanhã de manhã como você ordenou — disse Blaine com um tom sinistro — com certeza senhor — desliga.


Continua...

1 comments :

Write comments
Boo
AUTHOR
25 February 2015 at 16:13 delete

Dos melhores capítulos da historia ate agora, o flashback sobre o passado da Katie foi muito bom, esclareceu muita coisa sobre o passado dela e sobre a Team Rocket.
Gostei bastante de ter mostrado aquele lado atriz dela, que ela já tinha mostrado antes durante as lutas mas desta vez vimos como isto surgiu, como uma forma de ganhar confiança e intimidar seus adversários durante as lutas, foi um grande detalhe sobre a personalidade dela.
A Team Rocket tinha todo um plano para capturar Articuno, no final Katie conseguiu proteger seu pai, o poder da esfera e o que ela é exatamente ainda é uma duvida, o final explica o trauma da Katie, ela prendeu todas aquelas pessoas no gelo, Articuno quase foi capturado.
Acho muito bom ter outro foco de ação além do treinamento para o Yuuto, agora também fomos formalmente apresentados a outro inimigo, estou a adorar a historia, a cada capítulo ela apenas melhora.

Reply
avatar