#11 - Dark Guild!




         No ponto mais oriental da região, existe uma cidade cujas lendas são contadas por todo o mundo, uma cidade sempre coberta por uma densa névoa que existe por nenhuma razão aparente, esta cidade tem o nome de Lavender Town, provavelmente a cidade mais misteriosa de todo o globo, os seus edifícios antigos intimidam os novos visitantes, mas é o seu ponto de referencia que atrai mais curiosos, a torre de Lavender, um arranha-céus que segundo os antigos, está assombrada pelo fantasma de um antigo rei. Este rei viveu na era medieval, onde chacinou milhares para construir o seu império, dizem em que uma noite de nevoeiro ele foi assassinado pelo seu próprio irmão e esposa, sobre o seu tumulo foi construída esta torre e a cidade em seu redor. De vez em quando os gritos de dor do rei fazem eco para quem passa junto da torre, talvez relembrando a traição de sua amada e de seu irmão.

        Mas este conto é apenas uma lenda e nossa história não é sobre isto, por isso vamos lá.

       Os heróis que defenderam a Squirtle Shell contra a Fearow's Beak chegavam finalmente a Pallet Town, Daisy foi cuidando das feridas dos bravos guerreiros durante o caminho percorrido de charrette. Uma senhora de cabelos castanhos aguardava a chegada do transporte.

     — Olhe Ash, é sua mãe — comentou Katie que olhava pela janela.

     Eles saíram do transporte e a mãe de Ash se dirigiu junto do filho, ela estava com um olhar nostálgico e o abraça.

    — O meu querido filho finalmente partiu em uma missão importante, que orgulho, temia que você virasse um inútil.

   — Qual é mum? Eu já completei várias missões — disse o rapaz se afastando da progenitora.

   — Pegar encomendas não se podem chamar de missões — ironizou Katie.

   — Não se meta... — murmurou Ash olhando Katie com um ar aborrecido.

   — Oh e esta menina deve ser a Yellow.

  — É um prazer conhecer-me — disse a garotinha fazendo vénia.

  — Hehe de facto é um prazer — a mãe de Ash soltou um giggle.

  — Delia nós íamos agora jantar, gostava que nos desse o prazer de sua companhia — convidou professor Oak estendendo a mão á senhora.

   E então todos entraram na guilda, Daisy não é só healer, ela é também uma cozinheira eximia, ela preparou o manjar para o resto dos membros da guilda e Delia, a mãe de Ash, a refeição ia a meio quando se ouve as portas da guilda se abrindo, um rapaz de cabelos castanhos espetados entrava pelas portas de madeira, com os seus grandes olhos verdes mostrando alguma preocupação.


    — Ah Gary, você voltou de sua missão, como correu tudo? — Perguntou Oak segurando uma taça de vinho.

   — A missão correu bem, eu a completei com sucesso.

   — Mas pelo seu olhar, parece haver um mas.

   — Sim, não está enganado, no caminho de regresso ouvi falar de desaparecimentos de relíquias do convento.

    — Assaltos?

   — É o que parece, mas pelo o que consegui perceber,uma guilda negra pode estar envolvida.

   — O que é uma guilda negra? — Perguntou Yellow baixinho a Ash.

  — É uma guilda não oficial, costumam causar sarilhos aos oficiais — respondeu Ash.

  — Se de facto uma guilda negra está causando problemas nós temos de intervir — comentou Oak — atacar um convento é algo muito grave, o que é que eles levaram?

   — Ai é que entra a coisa estranha — disse Gary — o convento em questão está cheio de tesouros antigos, jóias e outros bens valiosos, mas tudo o que eles levaram foi cadeiras.

    — Cadeiras? — Os membros da guilda perguntaram ao mesmo tempo com expressão de confusão.

   — Sim, simples e comuns cadeiras.

  — Bom em todo o caso eles assaltaram um convento, têm de ser pegos por isso, como não sabemos com quantos membros estamos a lidar amanhã quero que vocês quatro partam juntos em missão, quero que descubram mais e apanhem os culpados.

   — Pode deixar professor, eu mesmo tratarei deles hahaha — vangloriou-se Ash.

  — Muito bem avô, amanhã cedo partiremos para Lavender Town — as palavras de Gary congelaram Ash.

   — Pensando melhor, a Katie e o Gary são os membros mais fortes da guilda, não faz sentido eu ir também, besides, o professor pode precisar de mim — disse Ash tremendo.

   — Ora Ashy, você está com medinho de entrar em Lavender Town? — Provocou Gary.

   — Me-medo, eu? Que bobice, eu não tenho medo de nada, saiba que eu enfrentei o mestre da Fearow's Beak sozinho, conte para ele Yellow.

    — Eeek, não me meta nisso...

   — Bom saber que posso confiar em si — ironizou Ash bebendo refrigerante.

   — Essa garota? Não tinha reparado que temos um membro novo — comentou Gary.

   — Sério? Ela esteve aqui esse tempo todo — comentou Katie em tom de sarcasmo.

   — Me chamo Yellow, prazer conhecer-me.

   — Huh? Ok... é um prazer então... enfim, como é Ashy, vai amarelar — provocou Gary de novo.

   — Mas é claro que eu vou, irei derrotar essa guilda negra e irei esfregar na sua cara que sou melhor que você.

   — O meu filho vai em outra missão, que orgulho tão grande, não criei um inútil afinal — Delia chorava de felicidade.

   — Adoro o jeito que todos confiam em mim — disse Ash com sasrcasmo.

  — "Hehe então isto é o dia a dia de uma guilda, fico contente em ter vindo" — o sorriso de Yellow preenchia o seu pequeno rosto.

    Então os nossos heróis dormiram a noite toda, quer dizer, todos menos Ash que tremia por todo o corpo sobre ter de ir a Lavender Town, pois tal como disse no principio, o conhecimento das lendas daquela cidade envolta em névoa são conhecidas por todo o mundo.

   E assim a manhã chegou, os membros da Squirtle Shell despertavam e se preparavam para a sua partida, Yellow estava muito excitada, pois esta seria a primeira vez que deixava a guilda para cumprir uma missão, os quatro guerreiros se despediram de Oak e Daisy, entraram no coche de Gary e partiram em direcção á cidade mãe de todas as lendas de terror, Lavender Town.

   — Wow esta névoa é tão densa que não consigo ver quase nada — comentou Katie se debruçando sobre a janela.

   — A pi não gosta deste cheiro — a pequena Yellow tapava o nariz e a boca com a mão.

   — Esta cidade é das mais misteriosas do mundo, ninguém sabe o porque da névoa, ela parece apenas cobrir esta cidade e ninguém sabe explicar — disse Gary.

   — É por causa do fantasma do rei tirano — Ash estava tremendo debaixo de um cobertor que ele havia trazido.

  — Ohh então você não iria derrotar eles sozinho? — zombou Gary.

     — Fantasmas? — Questionou Yellow.

    — Well, rezam as lendas que nestas terras foi enterrado um rei, assassinado pelo seu irmão e sua esposa, mas não passam de contos que os pais contam aos seus filhos para eles irem dormir cedo ou comerem a sopa — brincou Katie.

    — Chegamos — informou Gary. O coche havia parado junto dos portões do convento, logo um homem alto de cabelos azuis e olhar intimidante os recebe.

   — Vocês devem ser os garotos da Squirtle Shell, eu vos esperava.

  — Father Cyrus, o meu nome é Gary Oak, sou neto do professor Samuel Oak e sou o líder deste grupo.

   — Quem é que o nomeou líder? — Reclamou Ash.

   — Silencio Ash, estamos na presença de sua eminência, father Cyrus — disse Katie.

   — Peço perdão pelo meu súbdito, ele é um pouco retardado, mas não tema, somos capazes de ajudar o convento nesta missão.

   — Why you... — Ash estava com raiva das palavras de Gary, mas o olhar de Katie o penetrava como lanças de gelo, fazendo-o se controlar.

   — Hump, não sei se não me vou arrepender de ter aceite que crianças lidem com isto, mas agora já está, se vocês falharem não terão pagamento e eu chamarei outra guilda para resolver este problema.

   — Eek — Yellow se sentia intimidada pelo olhar cortante de father Cyrus.

   — Pode confiar, somos jovens mas bem capazes de lidar com isto.

   — We'll see... bom, vamos ao que interessa, na noite passada varias cadeiras desapareceram do convento, no lugar delas estava um cartão com a imagem de um Gengar sorrindo.

   — Desconfia do que se trata? — Perguntou Gary.

  — Afirmativo, isto foi obra de uma guilda negra que dá pelo nome de Laughing Gengar, são uns delinquentes que se instalaram na torre de Lavender, se eu soubesse combater lhes ensinava uma lição, mas infelizmente eu não o posso fazer, então conto convosco para resolver este problema.

   — Certo!

   Gary e os demais concordavam com este pedido sem notarem que estavam sendo observados. No topo da grande torre de Lavender, um rapaz de cabelos prateados observava o que se passava na porta do convento por um telescópio.

   — Well well, vamos ter companhia — disse o rapaz com o seu maligno olhar vermelho.

    A nova missão dos nossos heróis vai começar, conseguirá a Squirtle Shell se livrar desta guilda negra e ajudar o convento? E qual será o objectivo destes Laughing Gengar? Não percam os próximos capítulos.

   

1 comments :

Write comments
Boo
AUTHOR
1 January 2015 at 07:59 delete

Grande capítulo, o começo de um novo arco da historia, gostei de mostrarem a mãe do Ash bem como um pouco mais da Daisy, além do dia a dia da guilda, além de apresentar um novo membro, ele tem uma atitude badass e parece ser bastante respeitado por sua força, estou curioso para vê-lo em ação e saber se é mais forte que a Katie.
A historia envolvendo a cidade é bem sinistra, parecem haver muitos mistérios sobre o lugar, e principalmente a parte de uma guilda negra estar envolvida com tudo isso.
Parece um arco bem diferente do anterior, com mais mistério e terror, a historia segue muito boa.

Reply
avatar